SOBRE O BLOGUEIRO

Minha foto
Antonina, Litoral do Paraná, Palestine
Petroleiro aposentado e petista no exílio, usuário dos óculos de pangloss, da gloriosa pomada belladona, da emulsão scott e das pílulas do doutor ross, considero o suflê de chuchu apenas vã tentativa de assar o ar e, erguido em retumbante sucesso físico, descobri que uma batata distraída não passa de um tubérculo desatento. Entre sinos bimbalhantes, pássaros pipilantes, vereadores esotéricos, profetas do passado e áulicos feitos na china, persigo o consenso alegórico e meus dias escorrem em relativo sossego. Comendo minhas goiabinhas regulamentares, busco a tranqüilidade siamesa e quero ser presidente por um dia para assim entender as aflições das camadas menos favorecidas pelas propinas democráticas.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

O Pobre Ratinho Vs. O Polaco Malvadão

O Serviço de Alto Falantes Ornitorrinco manifesta, liminarmente, integral e irrestrita solidariedade ao companheiro Luiz Skora, The Crazy Polska, e permite-se lembrar que os poderosos Ratinhos, concessionários públicos, deitam e rolam fazendo política aberta segundo seus únicos e exclusivos interesses. Quando processam um blogueiro de modesta audiência querem mesmo é impedir o contraditório e pretendem sufocar quem deles discorda. Tenho nojo incontido desta gente.
---xxx--- 

Copiei do Polaco Doido 
Como se já não bastassem todos os pepinos da vida, agora me aparece mais um, ou melhor, dois.
Um dos candidatos a deputado estadual aqui do Paraná que já foi candidato a prefeito de Curitiba e que é filho de um famoso dono e apresentador da televisão, parece sentir-se profundamente ameaçado por este espaço mal escrito, pouco lido e a cada dia menos atualizado.
Nas eleições 2012 o candidato já havia processado o blog e além de conseguir retirar dois textos publicados aqui, também pediu que o Juiz multasse o Polaco Doido em R$ 50 mil.
Para estas eleições de 2014 a história se repete. Além de solicitar judicialmente um direito de resposta no importante e muito influente veículo da informação [sqn],  Blog Polaco Doido, mais uma vez pede também que sejam excluídos textos aqui do blog e que este blogueiro mais uma vez seja multado pela justiça eleitoral.
Pensa no absurdo!
O cara solicitou na justiça um pedido de direito de resposta contra Blog Polaco Doido.
Não é surreal um troço desses????
Em que século essa criatura vive?
Meu! Isso aqui é só um blog pessoal, independente, periférico e muito pouco lido.
Além do mais, é internet cara!!!
Você não precisa entrar com pedido na justiça para ter direito de resposta. Basta entrar em contato comigo, explicar a situação, mandar o seu texto e eu público sem nenhuma frescura.
Simples assim.
Todos os meia-dúzia de leitores do blog vão ler seus argumentos e todos nós continuaremos nossas vidas felizes e contentes.
Sei lá, até parece que a existência do blog Polaco Doido coloca em risco a carreira político-eleitoral do candidato. Ou pior, os textos aqui publicados colocam em risco a própria audiência e a verbas de publicidade da rede de rádio e TV do pai do candidato.
Só pode.
Sim, eu sei que o Polaco Doido, durante estes três anos e meio de existência, cultivou um invejável público assíduo de meia-dúzia de leitores (talvez um pouco mais, talvez um pouco menos) e também sei que estes leitores, independente da existência do blog, não têm o perfil dos eleitores do candidato que adora me processar, como também, não tem o perfil dos telespectadores assíduos do canal de televisão do pai do candidato – no máximo assistem algum episódio de Chaves quando zapeiam com o controle remoto.
Então Juninho?
Por que de todo este afinco em tentar me calar pela via judicial e financeira?
O Polaco Doido, apesar de assumidamente progressista e de esquerda, não é candidato a nada, não tem vínculo com partido político ou candidato nenhum, não recebe nenhuma espécie de subsídio ou patrocínio de ninguém. É só um blog pessoal, mantido por um cara que gosta de escrever o que pensa. Só isso!
O que realmente te ameaça aqui neste espaço sujo, pouco lido e insalubre?
Ora, vivemos na era da informação do supérfluo onde mais do que nunca, a velha máxima continua sempre verdadeira: “falem bem ou falem mal, mas falem de mim”.
O mais importante nesta época de informações e notícias descartáveis não é o conteúdo, são sim, os personagens.
Ou será que, apesar da irrelevância midiática do Polaco Doido e de seu editor, a verdade dói, machuca, fere e deve ser calada a qualquer custo?
Com a palavra, o candidato.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

George Soros, Armínio Fraga, Sininho: tudo junto e misturado?

Copiei de Laerte Braga

Em 1999 o mega especulador George Soros, não produz nada só especula, atacou o real, início do segundo mandato de FHC. Entreguista e sem caráter, FHC encontrou-se com Soros no Fórum Econômico de Davos e quis saber o preço para que o ataque parasse. Foi simples. Armínio Fraga, diretor do grupo Soros virou presidente do Banco Central. O País entrou numa espiral de juros altos, desemprego, voltadas para benefícios a bancos, por aí afora. Soros desfecha novo ataque contra o Brasil e Aécio tem como conselheiro e futuro ministro da fazenda, caso vença as eleições (improvável, está desmanchando), o mesmo Armínio Fraga. As atividades de Soros têm tentáculos para todos os lados. Financia ONGs com rótulos de esquerda, aparentemente dedicadas a movimentos revolucionários e sociais, na prática, meios de desestabilizar o governo sob ataque. É o caso de Sininho e seus ativistas. Recebem recursos de ONGs financiadas por Soros. Foi o caso do SANTANDER, um dos tentáculos dos especuladores mundiais e banco da OPUS DEI, ordem fascista da igreja católica, a qual foram ligados os papas João Paulo II e Bento XVI, envolvidos em escândalos financeiros no Banco do Vaticano, que resultou, inclusive, na decretação da prisão do braço direito de João Paulo II, o cardeal Marcinkus, ligado às piores máfias do setor. Tem o controle da mídia, pois se associa a outros especuladores e neste momento a ordem é evitar a qualquer preço a reeleição de Dilma. O Brasil, ou bem ou mal, começa a desgarrar-se desses donos do mundo e aí a importância fundamental dos BRICS. Como se vê, Soros atua cá embaixo, Sininho e no alto, SANTANDER, que foi o escolhido para semear pânico e medo. E logo corroborado pela mídia padrão Míriam Leitão e outros. Há um governo presidido por Dilma Roussef e há a candidata Dilma Roussef. Isso não impede e nem pode impedir a reação. O governo Dilma Roussef tem que determinar não só investigações sobre esse e outros fatos, estou resumindo a ação de Soros e torná-los públicos, para que os brasileiros tenham certeza que Aécio tem o propósito de vender o Brasil.

Ontem foi domingo e me droguei muito

Copiei de Gerivaldo Neiva


Gerivaldo Neiva *

Ontem foi domingo e me droguei muito. Comecei por volta das 13h e só fui parar depois das 22h. Éramos uns poucos amigos e amigas, casais amigos, e quase todos se drogaram também. Uns mais e outros menos. Petiscamos durante o dia e só no final da festa é que resolvemos comer algo mais consistente. Sorrimos muito e também tivemos momentos de conversa séria. Eu, por exemplo, quando me drogo, tenho momentos de euforia e de silêncio. Passo horas ouvindo as pessoas e outras horas com o olhar perdido. Depois, peço desculpas e retorno à euforia e boas risadas.
Um desses meus amigos gosta muito de misturar e reclama que não está sentindo nada, embora todos os demais percebam seu visível estado de euforia. Outro amigo tem sempre um copo de água ao lado, mas poucas vezes bebe a água. Outro tem o ciclo bem rápido e em poucas horas passa da sobriedade para a euforia, silêncio e sono; depois, quando os demais ainda estão na fase da euforia, ele já está completamente recuperado e começa do zero. Outro não come nada e justifica que se comer não consegue continuar se drogando e sente muito sono. Outro, ao contrário, tem sempre um prato de petiscos ao lado e justifica que não consegue se drogar sem comer. Outro, talvez só eu saiba disso, provoca vômito cada vez que vai ao sanitário para continuar se drogando e parecer sóbrio.
Drogas são drogas e ponto final. Todas elas alteram nossa percepção sensorial e, em consequência, a forma de ver o mundo. Esta relação das drogas com cada pessoa é única. Drogas é uma coisa e o efeito delas é algo absolutamente pessoal. Busca-se, portanto, algo entre a pessoa e a droga. Este algo é único e individual e reflete exatamente a história da pessoa com os efeitos da droga. Então, como cada um tem sua própria história, a relação dessa história com a droga também será uma história própria. Por causa disso, uns usam drogas apenas uma vez e não gostam, outros conseguem usar por muitos anos e não se tornam dependentes e outros não conseguem mais parar de usar depois da primeira experiência, tornando-se um usuário dependente.
Independentemente do caráter de legal ou ilegal, lícita ou ilícita, todas as drogas são drogas e estabelecem as mesmas relações com o usuário, pois não sabem se são permitidas ou não. Assim, o uso do tabaco pode causar um profundo bem estar ao fumante, embora possa causar inúmeros tipos de câncer. Da mesma forma, o álcool pode oferecer alegria e euforia e, ao mesmo tempo, causar uma infinidade de problemas à saúde de quem ingere álcool. Adentrando às drogas consideradas ilícitas, a cocaína pode causar sensação de autoconfiança e poder, mas pode também comprometer a saúde de quem cheira ou injeta. Também a maconha pode relaxar e proporcionar viagens leves e lentas, mas também pode causar mal à saúde de quem fuma. O ponto comum é que todas as drogas podem causar a dependência e se tornar um problema para o usuário, seus familiares e comunidade. No fim, o problema a ser enfrentado e discutido é por que alguns usuários se tornam dependentes e problemáticos e outros não. Sendo assim, como jamais conseguiremos acabar com as substâncias que alteram nossa percepção sensorial, interessa muito mais entender a mente humana, as tragédias pessoais e a desigualdade social do que proibir e criminalizar as drogas.
Pensando assim, fico a me perguntar, qual o fundamento jurídico, legal, histórico, filosófico, moral, religioso ou de qualquer outra natureza para considerar marginais e bandidos pessoas que usam algum tipo de droga? E mais, também me pergunto, por que as drogas fabricadas pela indústria capitalista, a exemplo do tabaco, álcool, ansiolíticos e antidepressivos, são consideradas lícitas e, inexplicavelmente, as drogas que não passam pela indústria capitalista são consideradas ilícitas, a exemplo da maconha e cocaína? Será, por fim, que o detalhe em comum seja exatamente este: a indústria capitalista?
Voltando ao começo, ontem fiz um churrasquinho em casa e convidei os amigos para matar a saudade, jogar conversa fora, comentar os jogos da Copa no Brasil e as consequências na campanha política, lembrar das aventuras passadas, dos tempos difíceis, empanturrar de carnes e, principalmente, tomar muitas cervejas. Abasteci o freezer com algumas caixas de cerveja, preparei costelinhas de porco e carneiro com toque final de alecrim; coração de frango, coxinhas da asa de frango, costela de boi ao forno com papel alumínio, calabresa mista apimentada (uma delícia!) e, como não poderia deixar de ser, saborosas picanhas com dois dedinhos de gordura. Na manhã seguinte, como sou de carne e osso, tinha as mãos trêmulas, boca seca, dificuldade de raciocinar e uma sede insaciável, ou seja, estava de ressaca.
Sei, por fim, que no mesmo domingo milhões de pessoas fizeram a mesma coisa e outros milhões usaram drogas consideradas ilícitas. Muitos, como eu, trabalharam normalmente no dia seguinte e outros, não tenho dúvidas, por conta exatamente de sua relação com as drogas, continuaram usando abusivamente e causando problemas à sua família e comunidade.
No mais, é muito provável que muitos policiais militares, que poderiam estar presentes em algum churrasco e provavelmente também de ressaca, resultado das cervejinhas do domingo, irão prender em flagrante jovens pobres, negros, periféricos e excluídos com pequenas porções de maconha ou crack, conduzindo-os a algum delegado, também de ressaca, que irá indiciá-lo, mais pela cor da pele e condição social, como traficante de drogas. Em seguida, algum representante do Ministério Público, também participante do churrasquinho do domingo, irá representar pela prisão preventiva com fundamento puro e simples na “garantia da ordem pública” e, por fim, seu destino será escrito indelevelmente como acusado por tráfico de drogas quando as mãos trêmulas e boca sedenta de algum juiz de direito lhe decretar a prisão preventiva e lhe esquecer na prisão.
Domingo que vem tem mais churrasco com os amigos, muita cerveja e ressaca na segunda-feira, mas também terá muita galera fumando maconha, cheirando cocaína e fumando pedras de crack. A diferença é que uns, por conta da droga usada, cor da pele e condição social, serão presos e condenados e outros, enquanto cidadãos respeitáveis, tomarão um engov ou epocler e assinarão mandados de prisão.

* Juiz de Direito (Ba), membro da Associação Juízes para a Democracia (AJD), membro da Comissão de Direitos Humanos da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e Porta-Voz no Brasil do movimento Law Enforcement Against Prohibition (Leap-Brasil)

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Imediatismo pequeno-burguês em doses cavalares e adolescências que se prolongam indefinidamente

Copiei de Nilson Lage

Puro surrealismo.

Bandos de indivíduos - jovens, se isso importa - organizam-se para promover tumultos, incêndios e quebra-quebras durante manifestações populares ou mesmo sem elas.
Dizem que são anarquistas; fazem parte de uma onda internacional que, em toda parte, leva a lugar nenhum. 
Num de seus confrontos com a polícia, matam um cinegrafista. Em outras oportunidades, agridem jornalistas - não os donos de jornais oligopolizados, sequer os editores, mas repórteres que testemunham suas exibições.
Quando três dos apontados como líderes da malta são liberados da cadeia, mais uma vez agridem profissionais. 
O sindicato da categoria toma uma providência. Qual? 
Chamar papai-advogado e mamãe-psicóloga para uma sessão de escracho da categoria - representando os mesmos papais e mamães que não souberam educar seus filhos no respeito ao trabalho dos outros.
Não tenho vergonha de, por quase 30 anos ter militado nesse sindicato, desde a greve vitoriosa de 1962, que garantiu aos jornalistas do Rio de Janeiro os direitos trabalhistas negados pelo patronato.
Lamento, porém, pelo que ele se tornou - apêndice de partidos políticos nascidos de teoria lida em orelha de livro, de imediatismo pequeno-burguês em doses cavalares e de adolescências que se prolongam indefinidamente.

Poema dos Aécioportos

Copiei a imagem daqui
Era uma pista muito engraçada
Não tinha dono, não tinha nada
Os aviões chegavam não
Só o dele, o do patrão
Não se podia pousar ali 
porque a chave era do tio
Que rima horrível essa do tio
Mas o horror não é a rima
É a puta que os pariu!

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Carta aberta a Luiz Carlos Azenha, um dos Big Ones da blogosfera

Acabo de enviar esta mensagem ao Luiz Carlos Azenha, jornalista e um dos Big Ones da Blogosfera Progressista, e ele sabe muito bem do que estou falando.

Sei que você é um dos nossos, tenho isso muito claro, e faz tempo. 


Você tem o direito de achar-me um bocó, e talvez eu seja mesmo, meu caro. Ocorre que tenho nome completo, não sou um anônimo de merda, e também tenho militância e história de luta e posso encarar meu filhos e netos olho no olho sobre essas coisas.

Quando fiz referência à sua posição favorável aos protestos violentos (que, parece-me agora, você não escreveu) eu não falei de um "jornalista bocó" qualquer, um escriba inominado; ao contrário, disse que era você e dei o seu link, e você pode responder, e o fez prontamente, mas falou para um bocó genérico, inominado, depois de bloquear-me, o que é um direito seu.

Vai-te completamente a merda, Azenha. 

Mesmo bocó, eu tenho nome, sobrenome e posso ser encontrado, contraditado, posso ser contestado e, posso, veja você, até ser convencido por sua argumentação que, por oportuno, li com muita atenção.

Vai-te a merda, portanto.

Bocó posso até ser. Mas tenho nome, sobrenome e modesta história.

Respeite-me, pois, e escreva assim: Paulo Roberto Cequinel, notório bocó.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Confissões de um petista renegado: as águas da minha modesta militância jamais serviram aos moinhos da direita.

Sou um renegado, defensor da criminalização dos movimentos sociais, um mantenedor da ditadura.
Sou um burro virtual e não sou cineasta, muito menos ativista. Ativista, como se sabe agora, é nível superior da espécie humana: basta-se a si mesmo e não deve explicações a ninguém.
Sou um merda de um ex-sindicalista. E da CUT, pode isso? Fiz todas as greves, todas as passeatas, as caminhadas, os protestos, todos os panfletaços, as pichações todas nas madrugadas.
Ocupei refinaria de petróleo, meu sindicato apoiou e apóia o MST e, mais de uma vez, levamos alimentação para os sem-terra quando ocuparam prédios públicos em Curitiba. E durante uns dois meses, creio que em 2003, nossa sede abrigou dezenas de famílias sem teto que foram desalojadas em plena madrugada.
Mas não aceito violência em manifestações, não quero coquetel molotov, não quero rojões disparados ao rés do chão.
Como posso, aos 62, admitir que numa porra de uma manifestação tenhamos um monte de feridos e um ou dois mortos? 
Sou um burro virtual.
Mas tem uma coisa que não faço agora e nunca fiz: as águas da minha modesta militância jamais serviram aos moinhos da direita.
Não sou fashion, não sou moderno e me recuso a ser liderado por gente que não conheço e, não bastasse, usando máscara.
E vão completamente à merda, "ativistas"! Com ou sem crase!"

sábado, 19 de julho de 2014

Central de Maldades do PT: atualização 5.0.13

Copiei a imagem dantesca daqui
 

Central de Maldades do PT
(Atualização 5.0.13. Não desligue o blog enquanto as atualizações estão sendo feitas)
...

A mocinha engravidou? 
Um barbudinho foi visto saindo da casa dela.

Suflê de chuchu? 
Invenção de um cozinheiro barbudinho.

Atirou o pau no gato-tô-tô? 
Crianças barbudinhas brincam assim.
Dona Chica-ca-cá dimirou-se-se?
É claro, é petista e malvada.

Lobo mau comeu a vovozinha?
E nem tirou a estrelinha, o malvado.

Tênis de adolescente com chulé?
Coisa da Juventude Petista.

A Feirinha do Lago da Ordem 'tá cheia?
Incompetência do PT.

Flatulência em elevadores?
Coisa da terceira idade petista.

Acabou a água em São Paulo?
O PT desviou tudo pra Brasília.

Blitz da Lei Seca?
É a ditadura petista.


Sodoma e Gomorra?
Obras da Copa petista.


Coritiba caindo pelas tabelas?
Celso Roth é petista.


Brasil perdeu a Copa?
Dilma vendeu pra Alemanha.

Dunga voltando pra Seleção?
Bolivarianismo futebolístico do PT.

Presidente Raul Castro hospeda-se na Granja do Torto e PSDB, DEMOS e PPS, de joelhos, pedem: Nossa Senhora da Guerra Fria, rogai por nós!

O Serviço de Alto Falantes Ornitorrinco, hoje a soldo das forças governistas dominadas pelo petismo de extração búlgara, cumprimenta os presentes nesta patética quermesse em louvor de Nossa Senhora da Guerra Fria e, para não perder a viagem, manda os deputadões Antônio Imbassahy (PSDB/BA), Mendonça Filho (DEM/PE) e Rubens Bueno (PPS/PR) diretamente para a puta ianque e golpista que os pariu.
---xxx---
  
Imagem copiada daqui
---xxx---

Copiei do Blog do Zé Dirceu

Oposição tem reação descabida à hospedagem de Castro no Torto

É inacreditável, se não se estivesse lendo e ouvindo não daria mesmo para acreditar na exploração político-eleitoral que estão fazendo com o fato de estar hospedado na Granja do Torto, residência de campo da Presidência da República, o presidente de Cuba, Raul Castro e comitiva, em visita ao Brasil para participar de uma Cúpula da CELAC, o grupo composto por países do Caribe (Cuba e Antígua e Barbuda), América Central (Costa Rica), América do Sul (Equador) e China.

O Brasil já teve presidentes que, ao invés do Palácio da Alvorada, preferiram morar no Torto, como João Goulart, o Jango (1961-1964) e o último general-ditador, João Baptista Figueiredo (1979-1985). Agora, com a exploração que a oposição está fazendo pelo fato de Castro e comitiva estarem hospedados lá, a atitude é tão retrógrada que, se não se tomar cuidado, dá a impressão de se estar vivendo 50 anos atrás…

Mas temos aí toda a direita em pé de guerra com o fato. O líder do PSDB na Câmara, deputado Antônio Imbassahy (BA), considerou o tratamento concedido pelo governo brasileiro a Castro “absolutamente extravagante” e anunciou o envio de requerimento ao Itamaraty para questionar quanto está sendo gasto para hospedar a comitiva cubana e os motivos que levaram ao convite. E mais: adiantou que o PSDB vai até convocar o chanceler Luiz Alberto Figueiredo para dar explicações na Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

Medo de Raul Castro implantar comunismo na Granja?

O líder do DEM, então, deputado Mendonça Filho (PE), está assustadíssimo. Para ele a deferência concedida  ao dirigente cubano demonstra que “a Granja do Torto está se tornando a embaixada da ditadura (cubana) no Brasil”. E o do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), foi acometido do mesmo trauma: “É o DNA do PT, de aparelhar a coisa pública para uso ideológico”. Para ele o episódio prova o alinhamento político petista com o governo da ilha de Cuba.

Interessante é que quando dois outros presidentes estiveram na Granja do Torto, ambos dos Estados Unidos, Ronald Reagan durante o governo Figueiredo, e George W.Bush, durante o governo Lula, esse pessoal não teve a menor preocupação. qual a explicação para ter agora?

É puro eleitoralismo da oposição demo-tucana e da sempre linha auxiliar do PPS. Eles não tem o que fazer. Qual a diferença entre o presidente Castro e comitiva se hospedarem na Granja do Torto, ou ficarem num hotel – que aliás custaria muito mais caro em todos sentidos? Repetimos: essa reação descabida é pura exploração barata com objetivo eleitoral. E falta do que fazer da oposição.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Poema para um ornitorrinco

Copiei a imagem daqui

da nova safra de poetas rurais,
ecológicos e sustentáveis, 
e amigo deste blog nauseabundo, 
fez este comovente poeminha

ORNITORRINCO

gema de novo
estrelado
para cima

parto de tudo
pra nascer
obra prima

que tenha
todos os sentidos
mais cinco

ovo
de ornitorrinco