SOBRE O BLOGUEIRO

Minha foto
Antonina, Litoral do Paraná, Palestine
Petroleiro aposentado e petista no exílio, usuário dos óculos de pangloss, da gloriosa pomada belladona, da emulsão scott e das pílulas do doutor ross, considero o suflê de chuchu apenas vã tentativa de assar o ar e, erguido em retumbante sucesso físico, descobri que uma batata distraída não passa de um tubérculo desatento. Entre sinos bimbalhantes, pássaros pipilantes, vereadores esotéricos, profetas do passado e áulicos feitos na china, persigo o consenso alegórico e meus dias escorrem em relativo sossego. Comendo minhas goiabinhas regulamentares, busco a tranqüilidade siamesa e quero ser presidente por um dia para assim entender as aflições das camadas menos favorecidas pelas propinas democráticas.

sábado, 6 de dezembro de 2014

O Globo Repórter e o bom sujeito

2 comentários:
Copiei do Diogo Costa

O bom sujeito assiste o Globo Repórter sobre a Suécia e deita falação sobre o Brasil.
Sabe o sujeito que a Suécia é um dos países menos desiguais do mundo? Sabe que a diferença salarial entre um médico, um professor, um gari ou um engenheiro é mínima?
Sabe que lá os impostos sobre a renda, a herança e sobre o patrimônio são altíssimos? Sabe que lá a carga tributária é de 50 por cento do PIB enquanto aqui é de 35 por cento do PIB?
O sujeito (ou os sujeitos) ama a Suécia, a Noruega, a Finlândia e a Dinamarca, idolatra o modo de vida da Escandinávia mas, quando o papo é sobre o Brasil, aí tudo muda de figura.
Experimentem sugerir aos amantes da Suécia que se implante no Brasil um sistema tributário direto e progressivo sobre a renda, a herança e o patrimônio...
Experimentem sugerir aos amantes dos descendentes dos vikings que se aumente a carga tributária no Brasil para garantir a gratuidade da educação pública, da pré-escola até a graduação, como é na Suécia...
Experimentem dizer que a brutal desigualdade social ainda existente no Brasil deveria ser eliminada e em seu lugar deveríamos perseguir a quase igualdade social da Noruega...
Experimentem dizer para eles que os salários do gari e do doutor deveriam ter diferenças pequenas entre si...
Experimentem, experimentem!
A verdade é que estas pessoas, quando falam sobre o Brasil, são as primeiras a reclamar da 'alta carga tributária', da infernal legislação trabalhista, da pouca vergonha que foi incluir as domésticas na legislação trabalhista porque isto aumenta o 'custo Brasil', etc.
O que dizer do encantamento do sujeito quando viu que lá na Suécia a licença maternidade e paternidade é de 1 ano e 4 meses? O sujeito ficou maravilhado!
Agora, se alguém defender isto aqui na terra das palmeiras, o mesmo sujeito enlouquece dizendo que isto vai quebrar o país!
Defendem eles, na verdade, que o Brasil permaneça eternamente atrasado e desigual. Defendem a civilização desde que essa civilização aconteça lá fora, de preferência na Europa.
Se alguém propõe políticas públicas de aumento do salário mínimo, de combate às desigualdades sociais e regionais ou de aumento na tributação dos ricos, lá vai o nosso bom sujeito vociferar nas avenidas e nas redes sociais contra um tal de ''comuno-bolivarianismo'' que se quer instalar em Pindorama.
É que tudo isso na Suécia é muito chique e elegante, mas no Brasil, ao contrário, é 'comunismo'!
Arrematando, se dependêssemos dos bons sujeitos do Brasil, jamais chegaríamos a ser uma Suécia.

sábado, 29 de novembro de 2014

Santa Anfilóphia da Governabilidade, rogai por nós!

Nenhum comentário:
Copiei a imagem daqui
Nem pense nisso!

---xxx---

Copiei de Maria Fernanda Arruda

Se ninguém percebeu, o fanatismo governista criou um novo critério para o absurdo. Deixou-se de considerar uma coisa absurda por ser "contrária à razão", como nos ensinaria o titio dicionário. Absurdo, agora, é um adjetivo que denota a origem da medida e não a racionalidade dela. Em outras palavras, o que vem do governo jamais será tido como absurdo. Absurdo é o outro, absurda é toda alternativa.

Há um mês, Kátia Abreu e Joaquim Levy seriam nomes absurdos para o ministeriado. Pareceriam oriundos de uma lista que petistas lançaram com falsos nomes de possíveis ministros de um governo Aécio(na verdade, Kátia Abreu é ainda mais estrionicamente ruralista que o Eduardo Sciarra, que estava em tal lista, e Armínio Fraga e Levy se equivalem em muitos e muitos sentidos). Mas, uma observação mais aprumada nos mostra que não são nomes absurdos, afinal, vieram do governo. O governo deveria, aliás, fornecer um carimbo de não-absurdecência, a ser marcado nas testas dos novos ministros, um "selo inmetro de concessão autorizada pelo discurso da governabilidade". Facilitaria os blogs petistas saberem o que dizer sobre o ministeriado.

A opinião deixa de ser um espaço construtivo e torna-se um espaço reativo. "Você é contra ou a favor de X?" "Espera um pouco, deixa eu googlear o que a Dilma pensa sobre o assunto" virou uma conversa plenamente plausível nos dias de hoje. O juízo deixou de ser uma atividade investigativa de nosso íntimo para ser uma busca pela fonte governamental da razão. Pensar passou a ser a busca pela opinião do governo. E graças aos céus, temos o google para nos ajudar a pensar.

Ou, ou, ou, talvez, quem sabe, absurda seja outra coisa. Precisamos comprometer os petistas a declararem, afinal, qual o limite intransponível da direitice. Qual medida, mesmo que tomada pela Dilma, é absurda num governo que se diz de esquerda? Qual o reductio ad absurdum tão absurdo que supere qualquer possibilidade de justificação de origem? Por incrível que pareça, tem gente afirmando que o fim do auxílio desemprego é uma medida de esquerda! Tem que ter um critério, não é possível. Até o mais anti-moralista dos humanos, aquele que nega com todas as forças a bipolaridade "bem vs mal", sabe que atropelar uma criancinha carregando um bebê-foca é algo maligno. Em suma, qual o atropelamento de bebê-focas das medidas de governo?

Não, não se trata de uma luta para transformar a sociedade. É apenas uma disputa para manter-nos capazes de conversar com nossos amigos petistas.

Desabafo!

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Santa Filomena da Governabilidade, não deixai faltar gel lubrificante!

Nenhum comentário:
O Serviço de Alto Falantes Ornitorrinco, ao cumprimentar os presentes nesta patética quermesse em louvor de Santa Filomena da Governabilidade, informa ter descoberto que os fabricantes de gel lubrificante doaram muitos milhões para nossos candidatos.
---xxx---

Copiei da Andrea Caldas

A CULPA É DA ESQUERDA!


Tenho ouvido insistentes argumentos em favor dos recuos na pauta governamental, sufragada nas ultimas eleições, mais uma vez, com o apelo ao eterno mantra da governabilidade, adicionado de um novo elemento: a meritocracia eleitoral.


Segundo esta lógica, a culpa da nomeação da miss do trabalho escravo, Katia Abreu e do discípulo de Arminio Fraga, Joaquim Levy é da esquerda que não "conseguiu" eleger uma bancada expressiva no Congresso.


Curiosamente, esta cobrança é feita depois da campanha eleitoral mais cara da história brasileira, manietada pelos interesses do agronegócio, dos Bancos e empreiteiras.

Sim, parte expressiva da esquerda foi "incompetente" para jogar segundo as regras do jogo, captar milionários patrocinadores, haja visto a diminuição considerável da bancada de esquerda, na área de educação, por exemplo.

A circularidade argumentativa da "realpolitik" só não responde qual o caminho de saída do labirinto que alimentamos, nestes últimos anos.


Pois se a Reforma Política - tida como panaceia - só pode ser realizada com o apoio do congresso conservador, esta não é uma opção.


A segunda porta mágica, a realização de uma constituinte exclusiva e mesmo o Plebiscito, carece de razoabilidade, de vez que é justo imaginar que sem o fim do financiamento privado, teremos uma nova eleição com "mais do mesmo".


Se não temos correlação de forças para enfrentar o Congresso, o STF e a Mídia (também sustentada com verbas públicas), que esperanças podemos legar aos que votaram numa plataforma que prometia o aprofundamento das mudanças?


Alias, diga-se de passagem, esta propaganda foi intensificada pela candidatura de Dilma, no segundo turno, quando já se conhecia o perfil conservador do Congresso.


O que fazemos agora? Publicamos uma errata, no programa eleitoral? Pedimos mais 12 anos de paciência? Rezamos para que a conjuntura política e econômica altere-se, metafisicamente?


E enquanto isto, continuamos a alimentar adversários e aliados de ocasião, até o ponto em que eles nos sufoquem, de vez?


O decréscimo eleitoral das candidaturas presidenciais do PT sinalizam o resultado desta politica da governabilidade sem enfrentamentos e do recuo de parte da esquerda.


E ainda assim há aqueles que desaconselham a crítica, desautorizam os movimentos nas ruas, pelo medo de "provocar a reação da direita" e o "golpismo".


Ora, a direita nunca deixou de agir - mais silenciosa ou ruidosamente - jamais suportou políticas para além do melhorismo e da democracia de vitrine (e as vezes, nem estas).


Mudanças estruturais, neste país, a favor dos trabalhadores/as, nunca foram conquistadas em silêncio e sem muita mobilização social.

Não será diferente, desta vez.

Os que pedem a calmaria, devem saber que estão escancarando as portas para os setores dominantes, hábeis em operar, sinuosamente, nos bastidores.


Que não arrependam-se, portanto, do script que desenham, por omissão ou opção.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

O sinistro deputadão federal Ronaldo Fonseca (Pros-DF), que quer proibir a adoção de menores por casais homoafetivos, é um abominável filho da puta em cristo

Nenhum comentário:
O Serviço de Alto Falantes Ornitorrinco declara, com a ênfase necessária, que o sinistro deputadão federal Ronaldo Fonseca (Pros-DF), evangélico de merda, é exemplo de pessoa abominável. Um filho da puta em cristo, ao fim e ao cabo.
---xxx---

Copiei de Toni Reis
 
Toni Reis, David Harrad e os três filhos de 11, 7 e 4 anos

Embora não esteja previsto na legislação, o direito de homossexual à adoção de crianças tem sido garantido pela justiça brasileira. Apesar disso, representantes de setores mais conservadores da sociedade no Congresso, como o deputado federal Ronaldo Fonseca (Pros-DF), querem acabar com o nobre ato. Ele propôs a proibição da adoção de menores para casais homoafetivos, contida no projeto que discute o Estatuto da Família, em tramitação na Câmara dos Deputados.

Fonseca apresentou, na segunda-feira passada (17), um substitutivo que define como família apenas a união – estável ou casamento – entre homens e mulheres e seus descendentes. O documento estabelece também que seja incluído no currículo escolar a disciplina “Educação para família”, além da criação de Conselhos de Família e da Semana Nacional de Valorização da Família.

O projeto, apresentado em outubro de 2013, tramitou de forma incomum para temas polêmicos como este. A Mesa Diretora autorizou a criação do colegiado especial, formado majoritariamente por parlamentares conservadores e evangélicos, como Ronaldo Fonseca (Pros-DF), pastor da Assembleia de Deus. Apenas quatro são ligados aos setores mais progressistas, como as petistas Érika Kokay (DF), Iara Bernardi (SP) e Margarida Salomão (MG) e Manuela D’Ávila (PCdoB-RS). Compõe também o grupo Marco Feliciano (PSC-SP), Eurico (PSB-PE) e Jair Bolsonaro (PP-RJ).

“A realidade que temos hoje é união estável e casamento civil de pessoas do mesmo sexo, não abarcados pelo artigo 226 da Constituição Federal, mas sustentados por decisão do Suprmeo Tribunal Federal (STF) e Conselho Nacional de Justiça (CNJ), recebendo o status de família ‘homoafetiva’”, justificou o parlamentar no documento.

Em resposta, a deputada Érika Kokay garantiu resistir ao ato. “Vamos fazer uma guerrilha regimental para impedir a aprovação desta proposta fascista”, disse em entrevista.

Segundo ela, o primeiro passo foi pedir para que o projeto do Estatuto da Família, do ex-deputado Sérgio Barradas Carneiro (PT-BA), seja analisado. A autorização da Secretaria-Geral da Mesa forçaria a discussão das duas propostas e um novo calendário de discussão.

Resistente - Apesar de afirmar ter consciência das transformações sociais, Fonseca ressalta não fazer sentido proteger tais relações. “Dela não se presume reprodução conjunta e o cumprimento do papel social que faz da família ser base da sociedade”, opinou no documento.

Definidos no material como “casais de mero afeto”, os homossexuais seriam proibidos da adoção, como prevê o artigo 16 da proposta. Ela modificaria o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e tornaria indispensável que os adotantes fossem “casados civilmente ou mantenham união estável, constituída nos termos do artigo 226 da Constituição Federal, comprovada a estabilidade da família”.

O artigo constitucional reconhece para efeito da proteção do Estado “a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar”. Desse modo, o projeto do Estatuto da Família tornaria obrigatório a norma legal, ainda que não seja considerada atualmente.

Para o secretário de Educação da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), Toni Reis, a ação do deputado é, além de um acinte à cidadania, uma tentativa de conquistar alguns minutos de fama.

Ele, que vive em uma relação homoafetiva há 25 anos e adotou três crianças, conta que o STF interpreta esses casos com base no artigo 5º da Constituição. O texto assegura que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.

“Esta é uma cláusula pétrea e tem muito mais força que o artigo 226, utilizado pelo deputado Fonseca”, analisa.

“(O deputado) deveria preocupar-se com assuntos mais importantes, em vez de com quem as pessoas dormem”, provocou Reis.

Para ele, caso a aprovação ocorra no Congresso, a proposta será inviabilizada no Executivo. “A presidenta Dilma jamais sancionaria tal acinte e, caso o fizesse, a comunidade LGBT recorreria ao STF, que sempre se mostrou favorável ao ato”, argumenta.

Adoção no Brasil - O Cadastro Nacional de Adoção, ferramenta criada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), tem 32.854 pretendentes. Há 5.618 crianças à espera de uma família e, destas, quase a metade são classificadas como pardas e, a maioria, tem mais de cinco anos de idade.

Não há lei que autorize a adoção por casais homoafetivos, no entanto, a justifica brasileira garante o direito resguardado pelos serviços de assistência social, que define ser o melhor para a criança. A guarda única ainda é mais comum nesses casos. Nessa modalidade, apenas uma pessoa tem a adoção formalizada.

Toni Reis e seu companheiro, David Harrad, passaram por processo de sete anos para adotar os filhos.


Por Rebeca Ramos, da Agência PT de Notícias

domingo, 23 de novembro de 2014

Pelo direito de ser

Nenhum comentário:
Maju Giorgi, das formidáveis Mães pela Igualdade, é uma das pessoas mais lindas e corajosas que conheço. 
---xxx---
Copiei do Estadão

Na semana em que o estudante Marcos Vinícius Macedo Souza, de 19 anos, homossexual, morreu esfaqueado em frente ao Ibirapuera - o mais importante parque de São Paulo -, um levantamento com base nos números do Disque 100 revelou que a cada hora um gay sofre algum tipo de violência no Brasil. O criminoso não levou dinheiro, celular ou documentos de Marcos, o que reforça a hipótese de que o jovem tenha sido vítima de homofobia.

O País lidera o ranking mundial de assassinatos de homossexuais e uma pesquisa do Grupo Gay da Bahia apontou que, no ano passado, um homossexual foi morto a cada 28 horas. Para a jornalista e ativista Maju Giorgi, membro do grupo Mães Pela Igualdade - que apoia e defende a orientação sexual de seus filhos - o Brasil pode ficar na contramão da história. Maju foi uma das protagonistas do ato “Revolta da Lâmpada”, domingo passado na Av. Paulista, que lembrou o ataque com lâmpadas fluorescentes a três homossexuais ali em 2010. Para hoje, estava previsto um “Velaço” no Ibirapuera, em homenagem a Marcos Vinícius. 

Maju saiu do armário junto do filho. Desde que soube da homossexualidade de André, juntou a família e fez seu primeiro ato de militância. “Mandei o André viajar porque não queria que ele tivesse de lidar com isso. Chamei a obrigação para mim e disse: ‘Se alguém discriminar meu filho aqui dentro, nunca mais olho na cara’”. Aos 48 anos, casada e com dois filhos, ela não briga mais apenas pela aceitação social de André, que vai se casar em breve com o namorado. “Sabe aquele gay da periferia com pai e mãe evangélicos, teleguiados por pastor? Eu luto por esse”. 

A luta é desgastante, ela diz, mas as conquistas valem o esforço: “Já ouvi de adolescentes de 15 anos: ‘Não me matei por sua causa’”. Semana passada, a ativista brasileira foi procurada pela Human Rights Watch. A ONG dedicada aos direitos humanos quer conhecer a real situação da causa LGBTTT no País. “A gente vai falando, vai falando... Uma hora começam a escutar”. 

A pesquisa divulgada quinta-feira diz que, a cada hora, um gay sofre algum tipo de violência no Brasil. A questão está se agravando?
Esse dado não foi surpresa para mim. Aliás, se você considerar todo bullying homofóbico que o gay sofre dentro da escola, a violência deve ser muito maior. Os casos do levantamento são os que você fica sabendo. E os que não se sabe? Nós estivemos no centro da pauta política nas últimas eleições e, toda vez que o debate sobre a causa gay avança, o conservadorismo reage. Toda luta por liberdade acontece que nem maré: vai e volta, tem avanços e retrocessos. Até que um dia ela avança e não volta mais atrás. 

O que falta para esse momento chegar?
As pessoas deixarem ser egoístas e darem o direito de o outro ser o que é. No Brasil é todo mundo muito egoísta. E não temos um Obama, um François Hollande ou um Pepe Mujica. O Executivo não tem só que falar, como faz a Dilma, “vamos criminalizar”. Falar, minha filha, falo eu também e não acontece nada. O que tem de fazer é o que fez o Hollande na França: peitar, enfrentar, articular o Congresso e aprovar a lei. Você não pode discriminar por religião, que é uma opção, e pode discriminar o direito de ser gay, que é uma condição? Como pode? É um absurdo. 

Argentina e Uruguai são os primeiros países da América Latina a legalizar o casamento gay. O Brasil está atrasado nesse debate?
Muito atrasado. Porque o Brasil tem uma bancada religiosa forte e, em nosso País, não se respeita a laicidade do Estado. O Uruguai tem um presidente que não tem medo de bancada, não faz conchavo. Já nós dependemos apenas do Judiciário que, entra governo, sai governo, é composto por humanistas e defensores da Constituição. Porque o Congresso Nacional do Brasil é homofóbico e o Executivo é rendido, sequestrado. O Brasil está ficando na contramão da história. 

A sra. mencionou as eleições. Em um dos debates, o candidato Levy Fidelix disse que os gays precisam de ‘ajuda psicológica’...
É, inclusive fui gritar na porta do Levy. Ele estava destilando o ódio. É o famoso afiador de faca. Não mata com as próprias mãos, mas incentiva o louco a matar. Percebemos que, depois disso, a violência aumentou absurdamente. A palavra para o ser humano daquele tipo é esta: leviano. Leviano Infidelix. Que importância tem a opinião de uma pessoa que nunca viveu, nunca sofreu, não faz a menor ideia do que seja essa realidade? 

Foi por isso que a sra. declarou, sobre o momento atual, que ‘estão querendo empurrar nossos filhos de volta para o armário?’ 
Eu me referia àqueles que são contra a liberdade. Silas Malafaia (pastor da Assembleia de Deus), Jair Bolsonaro (deputado federal pelo PP-RJ), João Campos (deputado federal pelo PSDB-GO)... Quando olho o perfil dessas pessoas, vejo uma aura de maldade. Porque acho que meu filho tem direito à felicidade plena e ele só vai conseguir fora do armário - sendo quem ele é.

O que a sra. espera do Congresso recém-eleito, o mais conservador desde 1964? 
Primeiro quero ver que conservadorismo é esse. Acredito que o conservadorismo político e econômico do Congresso aumentou, mas não necessariamente o de costumes. Só o PSDB de São Paulo está mandando para Brasília três deputados federais ligados à causa gay: Floriano Pesaro, Mara Gabrilli e Bruno Covas. Você não pode colocar os conservadores no mesmo saco. Por exemplo, a “elite branca paulistana” é conservadora do ponto de vista político, mas extremamente inclusiva com os gays. Então vamos aguardar e ver. 

Como a polícia trata o gay hoje? 
Com desdém. A maioria dos policiais é homofóbica. A polícia faz parte da sociedade. Se a sociedade é homofóbica, a polícia também é. E aqui no Brasil ela tem essa mania de pôr a culpa na vítima. É a mulher que estava com a saia curta, é o gay que estava não sei quê... Ou você está dentro da caixinha ou não existe. Ou se encaixa no padrão que o conservadorismo considera certo ou você não existe. Vai ser perseguido. É um círculo vicioso que tem que ser quebrado. É cultural, muito complicado. Não adianta eu, Jean Wyllys, João Nery (um dos primeiros brasileiros a fazer mudança de sexo), Márcia Rocha (travesti, militante e empresária), falarmos dia e noite sobre essas coisas. É preciso mais gente debatendo o tema para quebrar esses estigmas culturais que foram construídos durante séculos. 

As novelas têm tratado bastante do tema. Em sua opinião, elas mais combatem ou mais reforçam a homofobia?
Depende do autor. Alguns são realmente capazes de sensibilizar e a gente morre do coração de tanta sensibilidade. Outros só reforçam o estigma e prestam um desserviço a nossa causa. É o caso desse jornalista gay que aparece na novela das 8 (personagem Téo Pereira, interpretado por Paulo Betti, em Império, na Rede Globo). Já o primeiro beijo gay (na novela Amor à Vida, entre os personagens Niko e Félix) foi sensibilidade pura. Porque ali a dramaturgia conseguiu o que a militância tenta: separar a sexualidade do afeto. Na realidade, o homofóbico quando olha para o gay vê apenas o sexo - nunca o afeto. Nossa briga é para que se veja o afeto. Porque meu filho sempre falou para mim: mãe, se não existisse sexo, eu ia ser gay do mesmo jeito. Porque é o coração, não é genital.

Quando a sra. percebeu pela primeira vez que seu filho era gay?
Ainda criança. Quando ele tinha 5 anos, falei para meu irmão: ele é gay. Meu irmão falou: ‘Ah não, imagina. Como você já pode saber?’. Mas sabia. E tive dez anos para me preparar. Por mais que me achasse preparada, a hora que ele me falou o chão se abriu debaixo de meus pés. Me senti péssima. Não por ele ser gay. Porque para mim tanto faz, é meu filho do mesmo jeito. O problema é que você sabe toda a discriminação que vai sofrer. No caso dele, sofreu mesmo. Além de todo o bullying na escola, sofreu três ataques homofóbicos. Tenho certeza absoluta de que meu filho pensou em se matar muitas vezes. Apesar de ter uma família inclusiva e ter para onde voltar. Porque apesar de ser honesto, trabalhador, não ser criminoso, não encher a paciência de ninguém, ele é um pária da sociedade. A criança judia sofre preconceito na rua e volta para o colo da mãe judia. A criança negra sofre o racismo na rua e volta para o colo da mãe negra. A criança LGBTTT não tem para onde voltar. E muitas vezes ela sofre mais homofobia dentro de casa que na rua. Veja o pai que matou um filho de 8 anos porque o menino foi lavar louça. Uma criança linda de morrer, e o cara esfacelou o rim do menino na pancada porque o filho queria lavar louça. É para esse lugar que a criança LGBTTT volta. Um lugar onde ela é torturada e não tem colo de ninguém. 

Que ataques seu filho sofreu? 
Uma vez, ele estava andando em Taboão da Serra, cuspiram nele e chamaram de veado. Outra vez tava no McDonald’s da Av. Faria Lima na hora do almoço. Quando se levantou para sair, as amigas que estavam com ele escutaram um pitboy falar ‘vamos pegar o veado’. Elas começaram a gritar e os seguranças do McDonald’s pararam um táxi e puseram meu filho dentro. Então você acha que a gente consegue dormir à noite? Tenho uma amiga da Mães pela Igualdade que a filha foi apedrejada. Apedrejada. Ano de 2014, mundo ocidental. Como a gente dorme à noite? A gente não dorme. O André Baliera (estudante de Direito da USP, agredido em 2012) foi espancado às 17h na Henrique Schaumann (avenida movimentada da zona oeste de São Paulo). Você dorme à noite? Não tem como.

E como foi o terceiro ataque homofóbico que seu filho sofreu?
Ele acabara de sair de férias e foi para Natal, no Rio Grande do Norte. Sofreu um ataque homofóbico que durou horas. Horas. Uma coisa horrorosa. Filme de terror. Ele estava na praia com o namorado, os dois tinham acabado de chegar lá e foram abordados por um cara que os roubou e dizia: ‘Ah, branquinho, vou te levar ali no mato para te estuprar’. ‘Você é lindo, branquinho. Vou te estuprar.’ ‘Se você falar que te roubei para alguém vou te matar. E para mim é fácil porque mato veado todo dia. Você é só mais um.’ 

Ainda assim os casais gays devem andar de mãos dadas e enfrentar olhares na rua?
Claro. Você quer um melhor jeito de militar pela causa do que esse? É dizer: eu estou aqui, eu existo e vocês vão ter que me engolir. Com certeza! Até para banalizar a história. Porque tudo que vira natural deixa de ser manchete. Sair do armário é um ato político. Se todo mundo se esconder, a gente não sai do lugar. 

A postura do papa Francisco em sinalizar uma abertura na Igreja Católica de diálogo sobre os gays aponta para novos tempos de progresso no debate?
Vou falar bem claramente meu ponto de vista: o papa não pode mudar a religião. Existem dogmas e os dogmas têm que ser seguidos. Mas o papa dizer para parar com a perseguição é fantástico. É humano. Não tenho a menor expectativa de um dia ver um gay casando na Igreja Católica. A expectativa que tenho é que religiosos peçam para parar de perseguir. Hoje você está vendo o dalai-lama, Desmond Tutu e o papa Francisco fazendo isso. Agradeço aos três porque é um avanço muito grande, e não espero que eles desconstruam a própria religião. Meu filho é devotíssimo de Nossa Senhora e acho que ele também não espera casar na Igreja Católica.

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Novo Dicionário Périgo: meritocracia

Nenhum comentário:
Copiei de Alexandre Périgo

Da série "dicionário apoca-político da língua portuguesa"

meritocracia
me.ri.to.cra.cia

sm (mérito+cracia) 1 Predominância dos que possuem méritos. 2 Revolucionário método seletivo onde, de forma justa, todos aqueles que se esforçam mais obtém sucesso, independente de suas condições de partida - totalmente irrelevantes. Pelos princípios meritocráticos todos podem ser bilionários, basta se esforçarem o suficiente. Se por exemplo as condições de vida de alguém não são boas, cabe a este se esforçar mais e mais, já que na meritocracia qualquer um, paupérrimo ou riquíssimo, tem as mesmas chances de sucesso financeiro, dependendo apenas e tão somente de sua determinação. A meritocracia prova de forma irrefutável que todos os professores são vagabundos, pois se fossem mais esforçados ganhariam bons salarios. Prova também de forma definitiva que pobres são fracassados e crianças que passam fome em favelas são idiotas acomodadas com sua situação. O mantra meritocrático é: "não dê peixes, ao invés disso ensine a pescar", ainda que as pessoas que o repitam incessantemente sejam abastados de nascença, afinal mereceram suas fortunas por serem legítimos frutos de espermatozóides vencedores da feroz competição fecundatória. A meritocracia é cabalmente validada com casos de pessoas pobres que ganharam dinheiro, e em especial por tais casos serem exceções - o que confirma de quebra a tese de que a maioria dos pobres são folgados e fanfarrões. A meritocracia é argumento definitivo também para a extinção imediata de qualquer subsidio social ou cota em instituições de ensino, visto que o máximo que se deve dar a pessoas carentes é uma apostila sobre pesca. Grandes expoentes da meritocracia no Brasil são Thor Batista, Aécio Neves, Luciano Huck e Chiquinho Scarpa, todos estes provas vivas que são do sucesso pessoal através unicamente da determinação e esforço contínuos.

domingo, 9 de novembro de 2014

"Porque ele cumpriu a sua pena injusta. E porque ele, como meu pai, é INOCENTE": Miruna, filha de Genoíno, fala sobre a saída de José Dirceu da prisão

Nenhum comentário:
Copiei do Pensador da Aldeia

por Miruna Kayano, na sua página do Facebook

Desculpem pelo post longo. Não sei quem vai ler. E quem deveria ler não lerá, mas por mim tudo bem, se eu não falar, vou explodir.

Essa semana o Zé Dirceu foi para casa. E eu sou uma das poucas pessoas que pode imaginar a alegria que os filhos, a mulher, amigos, a família sentiu. Porque eu passei por isso há alguns meses atrás. E vou dizer a vocês: é impossível descrever a sensação. Alívio, alegria, emoção, superação, tudo junto e misturado e muito melhor.

E por isso me parte o coração quem quer fazer qualquer tipo de piada ou burburinho com a saída do Zé da prisão. Porque ele cumpriu a sua pena injusta. E porque ele, como meu pai, é INOCENTE. Não dá para acreditar que qualquer pessoa que me conheça, conheça minha vida, sabendo que NÃO SOMOS a família de um corrupto, não consiga parar e pensar um pouco sobre o que lê por aí. Não dá para entender. Tem gente que sabe onde moramos, sabe a vida que temos, e mesmo lendo por aí que o "Genoino vive em uma mansão" não consegue fazer uma reflexão e isso é triste demais. Porque a maioria das pessoas não sabe que vivemos em um sobrado no Butantã e por isso acredita em tudo o que a Globo, Folha e Veja falam por aí.

E tem outra: cada um tem o direito de pensar no que quiser. Mas mexeu com o Dirceu, mexeu comigo. Ele é tão inocente quanto meu pai e ponto. E se alguém acha que ele é culpado, então está dizendo que meu pai também é. E se sabe, como deveria saber, que meu pai é inocente, deveria parar para pensar em tudo isso que a mídia criou sobre o Dirceu, porque é MENTIRA.

Meu pai não pode falar com o Dirceu agora, ambos estão proibidos judicialmente de se falarem (!!!!!!!!!!), mas o elo entre eles é para sempre. Eu sei e vi o sofrimento que o Zé sentiu quando saiu da Papuda e meu pai ficou sozinho. Sei que ele pedia a pessoas amigas para visitarem meu pai. Sei que se não fosse pelo Dirceu e pelo Delúbio, talvez meu pai nem estivesse aqui hoje, porque quando foram presos, em novembro, foram eles dois que cuidaram do meu pai. Eles.

Por isso sim, fico muito mexida quando alguém fala da saída do Dirceu com sarcasmo, porque o que ele e sua família viveram foi o que eu e minha família vivemos. Um mundo de injustiça, sofrimento e dor. Mas também de solidariedade. Ninguém precisa ser solidário da mesma forma, mas todos deveriam saber que não existe isso de Genoino é uma coisa e Dirceu é outra. Pelo menos não deveria existir. Eles dois são uma coisa só: guerreiros. Lutadores. Vencedores. E que um dia vão ter suas histórias recontadas.

Na Itália isso já começou.

Fonte: https://www.facebook.com/miruna.genoino